Broadcast

A Evolução da Mídia e Entretenimento em Nuvem

Data: set/2009 Autor: Cisco


Este artigo discute uma extensão lógica desta tendência, em que as empresas de mídia usam a “computação em nuvem”. Uma tela de tecnologia que fornece os serviços hospedados computacionais sob demanda, a menores custos de operações. O assunto introduz um novo conceito: a “mídia privada em nuvem”, uma nuvem sob medida e concebida para os requisitos exclusivos, padrões e serviços da indústria de mídia e entretenimento para resolver os problemas dos meios de comunicação específicos. Quando múltiplas empresas compartilham a mídia privada em nuvem, elas podem desenvolver e implantar novas tecnologias com interoperabilidade no Master Format (FMI) a um menor custo de adoção.
Uma abordagem para mudar a estrutura de custos é transformar a desconexão e isolamento das unidades de negócios diferentes. Por exemplo, muitas empresas de mídia de hoje, incluindo a News Corp, Viacom e Disney, estão se fundindo ou consolidando as unidades de negócios de diferentes grupos de serviços. Ao construir uma infra-estrutura comum de equipamentos e serviços através de vários segmentos do negócio, as empresas de mídia podem amortizar os custos de tecnologia entre as diferentes unidades. Quando implementado corretamente, estes projetos podem gerar economias substanciais com o mínimo de impacto para a produtividade.
Mais importante, a nuvem de mídia privada pode acelerar a inovação ao permitir que os desenvolvedores ao produzirem aplicações de conteúdos específicos, como geração automática de metadados de conteúdo, refazem o planejamento do seu conteúdo e transformam essa incorporação em conexões automáticas para apresentar o conteúdo dos seus produtos. Esses tipos de inovações podem traduzir diretamente a capacidade de obter receitas adicionais de conteúdo. Em última análise, uma nuvem de mídia privada reduz os custos de operações de distribuição de conteúdo, a receita aumenta, e libera novos benefícios para os proprietários e distribuidores de conteúdo semelhantes.

O que é uma nuvem

“Cloud computing” é um termo aplicado a grandes centros de dados hospedados, geralmente geograficamente distribuídos, que oferecem vários serviços de computação em uma “utilidade” de base. Normalmente, a configuração e o provisionamento de serviços de assinantes nestes centros de dados são altamente automatizados, a ponto de que os serviços sejam entregues no momento de um pedido do assinante. Uma nuvem pode ser representada por qualquer empresa, um prestador de serviços, etc.
Um aspecto importante da computação em nuvem é a natureza dos serviços que estão sendo estendidas para os assinantes. No nível mais básico o cloud computing pode prestar aos assinantes de computação, armazenamento e recursos de rede sob demanda. No entanto, serviços de computação de nuvens também podem ser altamente sofisticados e oferecem capacidades dos assinantes de como executar funções de conteúdo específico (por exemplo, a transcodificação de um trecho específico do conteúdo). Em geral, a computação em nuvem pode elaborar uma abrangência de banda com muitos recursos para centenas de funções de conteúdo específico, disponível para assinantes Todos esses recursos podem ser faturados de volta para os assinantes em um “sistema de pagamento pelo que você usa” na base.
Uma nuvem de mídia privada é uma extensão do conceito básico de cloud computing, proporcionando uma plataforma de nuvem como serviço projetado especificamente para empresas de mídia, vide figura 1. Ele suporta os padrões, serviços, modelos de armazenamento, e os atributos de segurança que são úteis na solução de problemas comuns ao longo da cadeia de valor da mídia e do entretenimento. Uma nuvem de mídia privada é “privada” no sentido de fornecer para intra/inter-empresas que controlam os serviços e para um número de empresas participantes com necessidades e exigências semelhantes. Ela é construída para fornecer serviços interoperáveis de mídia, permitindo que múltiplas infra-estruturas nas empresas possam interagir de forma transparente com a nuvem privada.


Cloud 1.jpg
Fig. 1

O que é um controlador (mestre) “interoperável”

Para que as empresas de mídia se beneficiem de uma maior colaboração (seja através de uma nuvem de mídia privada ou através da miríade de outras formas em que interagem e entregam os seus componentes), as empresas precisam de um formato de mídia comum. Tal formato, chamado de master formato interoperável (FMI), é atualmente o objeto de discussões entre os vários grandes estúdios, organizado pela University of Southern California’s Entertainment Technology Center . O objetivo do esforço do FMI é desenvolver uma especificação de voluntários para um único mestre digital que possa ser usado como base para a criação de qualquer tipo de mídia para ser entregue em qualquer tamanho de tela, taxa de bits, resolução do codec de compressão, etc. O FMI irá armazenar um mestre conjunto de elementos baseados em arquivo, incluindo metadados, que pode ser transformado, combinados e empacotados para distribuição e que utilizem múltiplas listas de reprodução e composição, vide figura 2. A disponibilidade de dados de alta qualidade, uniforme e interoperáveis, baseados em arquivo deve reduzir custos, melhorar o tempo de colocação no mercado e aumentar a interoperabilidade dos processos de produção existentes.
A especificação do FMI se destina a ser aberto, de modo que os fluxos de trabalho baseados em arquivo do FMI pode ser implementado e customizado por qualquer criador de conteúdo, prestador de serviços ou de parceiros de distribuição.

Cloud 2.jpg

Fig. 2

Como é que uma “Nuvem de Mídia Privada” cria valor para a indústria de mídia e entretenimento

Mídia e empresas de entretenimento continuam a mesclar unidades de negócios previamente desconectados e parceiros para expandir a infra-estrutura compartilhada. Como resultado, a produção digital, distribuição e processos de negócios estão se tornando cada vez mais integrado, interligados e colaborativos. Esta tendência está ocorrendo dentro das empresas e entre as firmas. A abordagem da nuvem de mídia privada permite às empresas criar as suas próprias nuvens internas, bem como interagir de forma mais transparente com o exterior dos centros de dados de mídia sintonizados que presta serviços a nuvem privada. O valor deste grau de interoperabilidade pode ser sentido em várias áreas, mas especialmente na execução e implantação de processos nas unidades de negócios, por exemplo, os processos associados com o FMI. Este valor se manifesta em toda a cadeia de valor, e é compartilhado pelos proprietários de conteúdo, bem como pelos consumidores que enfrentam as empresas, tais como empresas de radiodifusão e varejistas digitais.
Vamos detalhar um pouco mais no exemplo de uma nuvem de mídia privada de apoio às operações relacionadas com o FMI. Com base na compreensão dos centros de dados privados dos meios de comunicação, ajustados a apoiar os meios de comunicação e a cadeia de valor de entretenimento foram identificados varias fontes especificas de valor a qual incluem:

A consolidação dos dados

Consolidação de vídeo, áudio e metadados nas saídas de processos de produção e pós-produção em um consistente interoperável Master Format pode simplificar o seu tratamento, aumentar a confiabilidade e diminuir os custos com os quais a distribuição e metas possam ser cumpridas. Mídia e conjuntos de dados de conteúdos de entretenimento são grandes se comparados aos de outras indústrias, em dezenas de terabytes por título. Agregada a capacidade da indústria anual será da ordem de centenas de petabytes. Tais conjuntos de grandes dados concentrados são ideais para serem entregues, a partir de uma nuvem o qual se refletem para a indústria de mídia e entretenimento. A nuvem de mídia privada consolida e otimiza o armazenamento, gerenciamento e custos de operações, e fornece um conjunto consistente e linear de serviços para facilitar a criação de conjuntos de dados principais interoperáveis.

Minimizando o trafego e os custos de transporte dos dados

Uma vez que está mídia esteja na nuvem de entretenimento, vale a pena deixá-la lá. Há um equívoco comum que quanto ao conteúdo digital e a sua circulação em torno, a qual é essencialmente livre. Essa crença pode ser uma suposição razoável para conjuntos de dados pequenos, mas certamente não é o caso dos arquivos de terabyte em escala mídia. Demora quase 23 horas para mover um conjunto de dados de 10 terabytes em um link Ethernet Gigabit. Uma boa maneira de entender o valor que a mídia privada na nuvem oferece para o transporte de dados é imaginar uma fábrica. A tradicional fábrica fixou máquinas e materiais que são movidos em torno do chão de fábrica (ou mesmo através de várias fábricas). Na computação em nuvem, os materiais e trabalhos em processo mantêm-se no lugar, e as máquinas acessam os dados conjuntamente minimizando a latência de transporte e os custos desses dados.

Maior inovação e colaboração

Os meios de comunicação e cadeia de valor de entretenimento tem sido historicamente baseada na colaboração efetiva. No entanto, a indústria está apenas começando a tirar proveito dos tipos de serviços de colaboração em rede que podem aumentar a qualidade dos resultados, reduzir os tempos de ciclo, e otimizar os custos de ponta a ponta. Uma nuvem de mídia privada pode e deve oferecer um rico conjunto de serviços de colaboração. Quando combinado com interfaces abertas, estes serviços podem estimular à inovação, fornecendo um rico quadro de serviços de comunicação sintonizados (ou seja, extração de metadados, anotações e aprovações, e empacotamento de conteúdo) que podem ser rapidamente estendidos para atravessar rapidamente funções crucias e inter-empresariais colaborativas em rede de processos.

Melhoria da utilização da “mídia a capacidade de produção”

A capacidade de produção digital necessária para suporte de mídia e aplicações de entretenimento pode flutuar descontroladamente. A procura de um cliente particular é um projeto movido pela qualidade e propenso a picos que podem não ser fáceis de prever. Em tais ambientes, a construção de capacidade de pico para cada cliente não é simplesmente uma opção de custo-benefício. Em vez disso, uma opção viável “pague pelo que você usa” é o modelo que pode ser implementado para agregar o nivelamento pela demanda, o qual combina a oferta de máquinas na fábrica virtual “contra esta suave curva de demanda”.

Automação da distribuição e business-to-business (B2B) para a organização do conteúdo e metadados em toda a cadeia de valor

O aparecimento de mestres interoperáveis entre vários filmes e episódios de TV dos vários estúdios pode permitir um grau sem precedentes de automação, serviço de distribuição, ou a criação de produtos de entretenimento nos formatos específicos, com a embalagem correta digital que podem ser cada vez mais automatizados. Uma nuvem de meios de comunicação privada pode prestar serviços de distribuição automatizados que oferecem cobertura para a maioria das metas de distribuição. Uma nuvem privada que oferece estes tipos de recursos pode se beneficiar de diversos fornecedores de conteúdo, provedores de serviços e distribuidores. Para oferecer estes benefícios, no entanto, a nuvem de mídia privada deve ser ajustada especificamente para a indústria de mídia e entretenimento, e devem ser transparente, virtual e aberta. Os clientes devem ser capazes de observar de forma transparente os dados alocados, todas as operações que são realizadas dentro da nuvem, e seu status e custos associados. Os clientes também devem ser capazes de implementar operações razoavelmente autônomas em suas próprias instalações, que interagem com a mídia de entretenimento na nuvem como um todo, transparente e virtual. Finalmente, os clientes devem ser capazes de fornecer e recuperar dados, o trabalho na seqüência, e observar os status de uma forma aberta e não-proprietária, o uso de interfaces que permitam a conexão de forma transparente para uma variedade do seu próprio negócio e sistemas de produção.

Nuvem privada e os benefícios para os parceiros

Além dos benefícios descritos acima, os serviços disponíveis do FMI em uma nuvem de meios de comunicação privados também oferecem benefícios específicos para os radiodifusores. Uma nuvem de mídia privada pode ajudar as empresas de radiodifusão:

Reduzir os custos operacionais

Uma conseqüência comum de isolamento e desconexão de centros empresariais e de infra-estrutura hoje predominante é que o mesmo trabalho é feito em vários lugares ao longo da cadeia de valor, muitas vezes, aumentando os custos operacionais para os radiodifusores. Por exemplo, os metadados importantes e disponíveis no início da cadeia de valor não é mantidos ou disponibilizados às empresas de radiodifusão, obrigando vários distribuidores a recriar os metadados e manipular o conteúdo. Uma nuvem pode fornecer os meios de comunicação privados para as emissoras com uma ampla gama de serviços, incluindo o acesso aos metadados exigidos, bem como diversos formatos de conteúdo.

Utilizar o pessoal de forma mais eficaz

Uma nuvem de mídia privada pode ajudar os radiodifusores a racionalizar melhor seus funcionários, permitindo-lhes utilizar as aplicações, processos colaborativos e serviços que visualizam os dados. Como resultado, um único membro da equipe ou a equipe poderia servir múltiplas geografias ou instalações.

Reduzir os custos de desenvolvimento e tempo de colocação no mercado

Em muitos casos, as emissoras devem aumentar os serviços de reprodução tradicional com capacidades de publicação de várias plataformas, a fim de permanecerem competitivas. Muitos dos serviços de back-end necessárias para preparar e entregar conteúdo para diferentes consumidores enfrentam plataformas distintas (transcodificação para celular ou PC, o empacotamento-DRM, download, streaming, gerenciamento de licenças), equepodem ser disponibilizados dentro da nuvem. Esse recurso elimina a necessidade de cada emissora ter que desenvolver manter e gerenciar esses serviços complementares. Quando os dados são consolidados, também há oportunidades significativas para otimizar a troca de tráfego e conectividade aos consumidores que enfrentam as redes de distribuição de conteúdo, permitindo as emissoras de unir forças e aproveitar economias de escala. Hoje, a mídia e empresas de entretenimento estão enfrentando ruptura fundamental em seus modelos de negócios, tecnologias e técnicas de provisionamento de serviços necessários. Essas rupturas são profundas, mas também oferecem às empresas uma oportunidade dinâmica de aprovar estratégias para gerir a mudança, liderança da competição, e prosperar na nova ordem mundial. Esse modelo da Cisco e da Ascent permite que as principais companhias de mídia possam tirar proveito desta transição da indústria. Elas irão adotar uma abordagem arquitetônica, na qual os diferentes aspectos do negócio são vistos como serviços distintos. Esses serviços podem ser seletivamente expostos como um tecido comum para os funcionários, parceiros e clientes em toda a cadeia de valor dos meios para reduzir os custos operacionais e desencadear inovação e colaboração.

Technorati :
Del.icio.us :
Zooomr :
Flickr :

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s